Gli articoli della Dire non sono interrotti dalla pubblicità. Buona lettura!

IURD crisis in Angola: professor believes Bolsonaro’s low popularity prompted interference

Bolsonaro
Professor of International Relations at FGV, Pedro Brites, believes that direct interference by the Brazilian government in matters involving the IURD in Angola is an attempt to please the electoral base at a time of falling popularity
Condividi su facebook
Condividi su twitter
Condividi su whatsapp
Condividi su email
Condividi su print

By João Marcelo

SAO PAULO – The president of Angola, João Manuel Lourenço, rejected receiving a Brazilian parliamentary delegation to defend the interests of the Universal Church in the country. The vice president of Brazil, Hamilton Mourão, met the Angolan leader in a bilateral meeting during the CPLP (Communities of Portuguese Language Countries) summit and asked Lourenço to accept a mission led by deputy Marcos Pereira, licensed bishop of the Universal Church. For Pedro Brites, professor of international relations at the Getúlio Vargas Foundation, this is a sign that Bolsonaro wants to please his parliamentary base. “This happens at a time when the government is under great internal pressure, with threats of impeachment and the CPI of COVID-19. With this, Bolsonaro needs to ensure stability in his parliamentary base, which is largely formed by the evangelical bench.”

The Universal Church of the Kingdom of God (IURD) has faced a crisis in Angola since 2019, when in November, the dissident group invaded the premises of the Universal Church’s headquarters in Luanda and clashed with church pastors. After the incident, the dissidents created the Commission for the Reform of Angolan Pastors (CRPA), which opposes the Brazilian wing of the IURD in Angola.

The following year the CRPA took control of several temples that belonged to the IURD and at the end of 2020 the National Institute for Religious Affairs (INAR), an Angolan government agency, appointed the CRPA as the legitimate representative of the Universal Church in Angola. During this year, several pastors and people linked to the Universal Church were deported from Angola in May. Angola’s Criminal Investigation Service accused four IURD leaders of money laundering and criminal association.

In an interview with the Dire agency, the professor of international relations at FGV (Fundação Getúlio Vargas), Pedro Brites told about the history of the IURD in African countries and about the growth of evangelicals in Brazil. “The IURD’s internationalization process began in the post-Cold War period, in the 1990s, in some countries such as Angola, South Africa, Guinea Bissau and Mozambique. In Portuguese-speaking countries this process was facilitated and Angola is a very important country in this process”. Brites draws a parallel with the Lula and Dilma governments, in which there was a closer relationship between Brazil and African countries and that, in addition to helping to establish and proliferate the Universal Church in countries like Angola, it also took several Brazilian companies to Africa.

At the same time that this was happening on the African continent, in Brazil there was a great growth of the evangelical population, not only linked to the Universal Church, and the IURD is now present throughout the national territory. “This population has become an important part of the Brazilian electorate and the politicians have begun to have the need to mobilize these bases of support, not only for disputes for positions in the executive, as for the presidency of the republic, but also for the legislature. So much so that we have a very expressive evangelical caucus in the Chamber of Deputies”, said Brites.

The professor adds that when we think about foreign policy, international variants are important, but domestic issues also have a very significant weight. “It seems to me that for the Bolsonaro government the African continent was never a priority for international and geopolitical relations. It seems to me that this attempt by the Brazilian government to interfere in the IURD issue in Angola aims much more at serving internal interests than with Angola itself.”.

Brites also says that there is also pressure from the IURD itself, which is a supporter of Bolsonaro, for the president to be more present on this issue. The professor points out that the Universal Church is a great ally of Bolsonaro and that an example of this was Bolsonaro’s explicit support for Marcelo Crivella’s candidacy for mayor of Rio de Janeiro in 2020 and now his appointment to the Brazilian embassy in South Africa. Crivella is pastor of the IURD and nephew of Edir Macedo, leader and founder of the Universal Church of the Kingdom of God. Crivella was nominated by Itamaraty, but has not yet been approved by the South African government or the Brazilian Senate.

Brites also explains that diplomatic harmony and stability between Brazil and Angola will depend a lot on how the Bolsonaro government will deal with this issue. For the professor, if Bolsonaro is reduced to these pressures already made, as a way of signaling support to his base, relations between the two countries will not be affected, but if the president continues the pressure, these relations may deteriorate.

BOLSONARO PREME SU ANGOLA PER COMPIACERE GLI EVANGELICI

Di João Marcelo

SAN PAOLO DEL BRASILER – Il presidente dell’Angola, João Manuel Lourenço, si è rifiutato di ricevere una delegazione parlamentare del Brasile che intendeva promuovere a Luanda gli interessi della Chiesa universale del regno di Dio (Igreja Universal do Reino de Deus, Iurd). Era stato il vicepresidente del Brasile, Hamilton Mourão, a chiedere al capo di Stato di accettare la missione guidata dal deputato Marcos Pereira, vescovo della Chiesa. L’occasione era stata un vertice della Comunità dei Paesi lusofoni, la Cplp.

Secondo Pedro Brites, professore di relazioni internazionali presso la Fondazione Getúlio Vargas, le pressioni esercitate dal Brasile sono un segno della volontà del presidente Jair Bolsonaro di compiacere la sua base parlamentare. “Il suo governo è sottoposto a una forte pressione interna con minacce di impeachment e l’emergenza Covid”. Secondo Brites, “la base parlamentare di Bolsonaro è formata ampiamente da evangelici”.

La Chiesa universale del regno di Dio sta affrontando una crisi in Angola dal 2019, quando c’è stato uno scontro con pastori dissidenti. A Luanda i dissidenti hanno creato una Commissione per la riforma dei pastori angolani, che si è opposta all’ala brasiliana della Iurd in Angola. L‘anno successivo la Commissione ha preso il controllo di diversi luoghi di culto della Iurd. Nel 2020 è stata riconosciuta dall’Istituto nazionale degli affari religiosi, ente governativo di Luanda, come legittima rappresentante della Chiesa in Angola. Quest’anno, poi, alcuni pastori legati alla Iurd sono stati costretti a lasciare il Paese africano. Inquirenti angolani hanno anche accusato quattro dirigenti della Chiesa di aver riciclato denaro proveniente da attività criminali.

Nell’intervista con l’agenzia Dire, Brites ripercorre la storia della Iurd in Africa e la parallela crescita degli evangelici in Brasile. “Il processo di internazionalizzazione della Iurd era cominciato dopo la fine della Guerra fredda, negli anni Novanta, in Paesi come Angola, Sudafrica, Guinea Bissau e Mozambico, tutti ex colonie portoghesi”, ricorda il professore. L’espansione della Chiesa non si era fermata con i governi del Partido dos trabalhadores di Luis Inacio Lula da Silva e Dilma Rousseff: in quegli anni, il sostegno alla Chiesa universale da parte di Brasilia si era accompagnato a quello per le imprese brasiliane in vari Paesi subsahariani. Parallelo l’aumento dell’influenza della Iurd nel panorama anche politico del Brasile. “La popolazione evangelica è diventata parte importante dell’elettorato brasiliano e i politici hanno cominciato a sentire il bisogno di averla dalla loro parte” dice Brites. “Oggi abbiamo una sezione molto attiva della Iurd alla Camera dei deputati”.

Secondo Brites, il tentativo di Bolsonaro di favorire una composizione del conflitto attorno alla Iurd in Angola va letto soprattutto in chiave di politica interna. “Mi sembra che l’Africa non sia mai stata una priorità per l’attuale governo del Brasile” sottolinea il professore. “Il tentativo di esercitare un’influenza sulle questioni della Chiesa universale del regno di Dio a Luanda serve anzitutto interessi di politica interna”.

A pesare sarebbe il fatto che la Iurd è sostenitrice di Bolsonaro. Il presidente avrebbe per questo appoggiato la candidatura come sindaco di Rio de Janeiro di Marcelo Crivella, pastore della Iurd e nipote di Edir Macedo, il fondatore della Chiesa. Crivella è stato poi nominato ambasciatore in Sudafrica. Il nuovo incarico dovrà essere approvato da Pretoria e dallo stesso Senato del Brasile.
Secondo Brites, la questione della Iurd e il modo nel quale sarà affrontata da Bolsonaro avrà un impatto chiave sui rapporti tra Brasile e Angola.

CRISE DA IURD EM ANGOLA: PROFESSOR ACREDITA QUE BAIXA POPULARIDADE DE BOLSONARO MOTIVOU INTERFERÊNCIA

Por João Marcelo

SAO PAULO – O presidente de Angola, João Manuel Lourenço, rejeitou receber uma delegação parlamentar brasileira para defender os interesses da Igreja Universal no país. O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, se encontrou com o líder angolano em uma reunião bilateral durante a cúpula da CPLP (Comunidades dos Países de Língua Portuguesa) e fez o pedido para que Lourenço aceitasse se encontrar com uma missão liderada pelo deputado Marcos Pereira, bispo licenciado da Igreja Universal. Para Pedro Brites, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas, esse é um sinal de que Bolsonaro quer agradar a sua base parlamentar. “Isso acontece em um momento que o governo sofre uma grande pressão interna, com ameaças de impeachment e da CPI da COVID-19. Com isso, Bolsonaro precisa assegurar estabilidade em sua base parlamentar, que em grande parte é formada pela bancada evangélica.”

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) enfrenta uma crise em Angola desde de 2019, quando em novembro, o grupo dissidente invadiu as dependências da sede da Igreja Universal em Luanda e entrou em conflito com pastores da igreja. Após o ocorrido os dissidentes criaram a Comissão de Reforma de Pastores Angolanos (CRPA), que se opõe à ala brasileira da IURD em Angola.

No ano seguinte a CRPA tomou o controle de diversos templos que pertenciam a IURD e no final de 2020 o Instituto Nacional para os Assuntos Religiosos (INAR), órgão do governo angolano, apontou a CRPA como representante legítima da Igreja Universal em Angola. Durante este ano diversos pastores e pessoas ligadas à Igreja Universal foram deportados de Angola em maio. O Serviço de Investigação Criminal de Angola acusou quatro líderes da IURD, por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Em entrevista à agência Dire, o professor Pedro Brites contou sobre a história da IURD nos países da África e sobre o crescimento dos evangélicos no Brasil. “ O processo de internacionalização da IURD começa já no pós Guerra-Fria, nos anos 90, em alguns países como Angola, África-do-Sul, Guiné Bissau e Moçambique. Nos países que falam portugues esse processo foi facilitado e Angola é um país muito importante nesse processo”. Brites faz um paralelo com os governos Lula e Dilma, em que houve uma aproximação maior do Brasil com os países africanos e que além de isso ajudar na fixação e proliferação da Igreja Universal em países como Angola, também levou várias empresas brasileiras para a África.

Ao mesmo tempo que isso acontecia no continente Africano, no Brasil houve um grande crescimento da população evangélica, não somente ligados a Igreja Universal, e a IURD hoje está presente em todo o território  nacional “Essa população se tornou parte importante do eleitorado brasileiro e os políticos passaram a ter a necessidade de mobilizar essas bases de apoio, não somente para disputas para cargos no executivo, como para presidência da república, mas também para o legislativo. Tanto é que temos uma bancada evangélica bem expressiva na Câmara dos Deputados” disse Brites.

O professor acrescenta que quando pensamos política externa as variantes internacionais são importantes, mas as questões domésticas também têm um peso muito significativo. “Me parece que para o governo Bolsonaro o continente africano nunca foi uma prioridade para as relações internacionais e geopolíticas. Me parece que essa tentativa do governo brasileiro em interferir na questão da IURD em Angola visa muito mais atender a interesses internos do que propriamente dito com Angola.”.

Brites ainda fala que também existe uma pressão por parte da própria IURD, que é apoiadora de Bolsonaro, para que o presidente fosse mais presente nessa questão. O professor ressalta que a Igreja Universal é uma grande aliada de Bolsonaro e que um exemplo disso foi o apoio explícito de Bolsonaro à candidatura de Marcelo Crivella à prefeitura do Rio de Janeiro em 2020 e agora a sua indicação para a embaixada brasileira na África do Sul. Crivella é pastor da IURD e sobrinho de Edir Macedo, líder e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus. Crivella foi indicado pelo Itamaraty, mas ainda não foi aprovado pelo governo sul africano nem pelo Senado Brasileiro.

Brites ainda explica que a harmonia e a estabilidade diplomática entre o Brasil e Angola vai depender muito de como o governo Bolsonaro vai lidar com essa questão. Para o professor, se Bolsonaro se resumir a essas pressões já feitas, como forma de sinalizar apoio a sua base, as relações entre os dois países não serão afetadas, mas se o presidente continuar a pressão pode haver uma deterioração dessas relações.

Le notizie del sito Dire sono utilizzabili e riproducibili, a condizione di citare espressamente la fonte «Agenzia DiRE» e l’indirizzo «www.dire.it»

Condividi su facebook
Condividi su twitter
Condividi su whatsapp
Condividi su email
Condividi su print

Agenzia DIRE - Iscritta al Tribunale di Roma – sezione stampa – al n.341/88 del 08/06/1988 Editore: Com.e – Comunicazione&Editoria srl Corso d’Italia, 38a 00198 Roma – C.F. 08252061000 Le notizie del sito Dire sono utilizzabili e riproducibili, a condizione di citare espressamente la fonte «Agenzia DIRE» e l'indirizzo «www.dire.it»